domingo, maio 06, 2007

As escadas da Lello

Livraria Lello, Rua das Carmelitas, Porto

Não era assim o nome deste poema.
Eu queria, de novo, o entrecruzar dos
corpos à hora do almoço descendo
as escadas da Lello.

Não sei porque arbitrária razão vejo
descer o retrato pintado em tábua.
Seus olhos dão fogo os meus dão-
lhe água
a menos que me dê o caminho da lua.

Não era assim. Era a hora do almoço.
Desciam as escadas vindos das nuvens
do lamento das aves
do murmúrio do vento. Vinham,

não, vinha do escuro
retrato longe dos olhos e
desta acabada história. A um canto,
como se fosse um café de estudantes,
juro um amor de sempre.

Descendo as escadas
longe dos livros
longe das nuvens
longe de tudo.


João Miguel Fernandes Jorge


in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, Publicações D. Quixote, 2001

5 comentários:

Francisco Oliveira disse...

Excelentes perspectivas destas escadas. Permita-me que goste mais da foto de cima.

the girl in the other room disse...

A melhor das livrarias! :)

Smiling disse...

linda :)

João Miranda disse...

Sem dúvida um local especial.
Abraço

hertista disse...

Excelentes fotos, excenlente poema.
Nota-se a magia do espaço onde a cultura enterra segredos e pede ao relógio o tempo devido para os desenterrar com cuidado... bem devagar...
:)**