sábado, maio 12, 2007

Cascata de granito


«O cenário onde isto se passou é dos mais pitorescos que os meus olhos viram: a Ribeira, ou a Ribeira Velha, creio eu que lhe chamam. É um cais sobre o Douro, perto da ponte de D.Luís. Todo o aspecto em redor é pesado e amontoado, conforme o carácter da cidade, Desde aquele cais a cidade sobe sempre em todas as direcções até à Torre dos Clérigos. Na outra margem a ascensão igualmente à de cá, de modo que o rio parece ter metido pelo mais alto de um monte que ficou dividido. Tudo isto faz com que o cais nos dê a estúpida impressão de estar enterrado. Lembro-me de umas interessantíssimas casas cujos alicerces se adivinham por causa da solidez com que as suas fachadas intimam os nossos olhos. Julgo serem vermelhas ou foi a impressão violenta da cor que me deixaram. Do que bem me lembro é dos arcos em vez de portas e de umas janelas que pareciam desviadas dos seus respectivos lugares.»

Almada Negreiros in Nome de Guerra (1938)

2 comentários:

José Eduardo disse...

Miranda, saúda-se e de que maneira o teu regresso ao nosso Portus Cale! Imagens magníficas acompanhadas de um texto dos melhores! Abraço tripeiro.

solas_na_mesa disse...

viva!

um pouco por acaso deu com o teu blog. Gostei e por isso adicionei-o ao meu...

Passa por lá para veres o que achas..

tj