quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Esta gente












Entrada de uma das casas de artesanato que ainda resistem na Ribeira


Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
E outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
É a gente em quem
Um país ocupado
Escreve o seu nome


Sophia de Mello Breyner Andresen


in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, Publicações D. Quixote, 2001

4 comentários:

Francisco Oliveira disse...

Fotografia simbólica com poesia a preceito.

kandimba disse...

Parabéns pelo blog. Convido-os a visitar também o meu blog sobre o Porto e arredores: http://verdecinzento.blogspot.com

Memories Catcher disse...

Boa combinação de foto e poesia.Gosto das cores e do ponto de vista.Bom trabalho!

Smiling disse...

a tradição perdura, o Porto será sempre eterno e adorado*